01 fevereiro 2016

A New Beginning

Para todos os fãs de aventuras point-and-click, chegou recentemente à App Store uma nova aventura da Daedalic Entertainment GmbH, o jogo A New Beginning, que teve a sua estreia em PC há uns anos atrás, sendo muito bem recebido pelos fãs do género, e que nos põe a salvar o planeta das consequências terríveis do aquecimento global.


Neste jogo acompanhamos as aventuras de Bent Svensson, um cientista reformado, que vive uma depressão por ter passado a vida inteira a trabalhar num projecto de energia limpa com algas, descurando a sua família no processo, e para no final ter de ver todo o seu trabalho a ir parar ao lixo.

Enquanto está sozinho na sua cabana na montanha, recebe uma visita bem peculiar, um helicópetro que aterra numa clareira próxima, e que traz no seu interior a nossa segunda aventureira, uma jovem chamada Fay, que diz ter vindo do futuro, do ano 2500, onde o planeta está à beira da destruição por causa das graves consequências do aquecimento global, e que lhe vem pedir ajuda para reverter este processo, exactamente com a sua investigação em energia limpa.


A aventura aqui passa para o lado de Fay, enquanto esta vai contando a Bent como chegou até ali, somos nós que temos de viver esses momentos, desde a viagem de 2500 para o passado, os erros de cálculo, a procura pelas outras equipas que foram para outros locais do planeta, e os esforços para chegar até Bent Svensson.

A história é muito interessante, e está muito bem contada, mantendo-nos agarrados ao ecrã para tentar perceber o que vem aí a seguir. Esta mecânica de jogo onde estamos a viver o passado de Fay, enquanto ela vai contando a Bent, e este vai comentando as decisões de Fay, ao mesmo tempo dando-nos dicas de como ultrapassar determinadas situações, é de facto muito interessante.


Depois de ultrapassado o primeiro capítulo, já podemos ver a dupla a enveredar todos os esforços possíveis e impossíveis para convencer os governos de que temos de alterar todos os nossos hábitos, e mudar para uma fonte de energia limpa (como aquela investigada por Bent Svensson), se queremos evitar a eminente destruição do planeta em menos de 500 anos.

Como aventura point-and-click, esta funciona muito bem, e é bem semelhante a tantas outras que já existem para iPad. Tocar em qualquer local do cenário para nos movermos nessa direcção, se aparecer uma seta, quer dizer que podemos passar para outro cenário, e tocar em qualquer objecto dá-nos acesso a um menu de acções específicas para esse objecto (olhar, tocar, activar, abrir, etc).

Para saber com que objectos podemos interagir no cenário, basta tocar na lupa para estes aparecerem todos assinalados no ecrã. Se activarmos a mala do inventário que se encontra do lado da lupa, abre-se uma secção em baixo, que nos mostra todos os objectos que temos connosco, sendo possível arrastá-los uns sobre os outros para que estes interajam, ou mesmo arrastar sobre algo no ecrã, para que aconteça alguma coisa.


Os puzzles e quebra cabeças a resolver são bastante lógicos, mas se por acaso nos virmos encravados em algum, não tarda a aparecer uma opção para passar o puzzle em questão à frente, a bem da narrativa, e para aqueles que querem acabar o jogo e saber como tudo isto acaba. Por vezes já percebemos a lógica de um puzzle, mas só o podemos resolver, ou só nos aparecem as opções para o resolver, se já tivermos explorado os objectos que são necessários de observar no cenário, ou até depois de conversar com uma pessoa sobre algo relevante para o assunto. Portanto, há que explorar todos os pontos de interesse, e ter todas as conversas possíveis, se quisermos resolver facilmente os puzzles.

A história vai-nos sendo contada com umas tiras estilo comic-book, com as personagens e situações a aparecer nos quadradinhos, inclusive com balões com os textos das suas conversas. A acompanhar o jogo temos voice over para todas as personagens (quase todas de grande qualidade, excepto Fay, que às vezes parece ter sempre o mesmo tom de voz, independentemente da situação em que se encontre no momento), uns efeitos sonoros muito bem pensados, e uma banda sonora excelente que vai mudando conforme a intensidade vivida no momento.


Os gráficos desenhados à mão são excelentes, e altamente detalhados, assim como as várias animações que encontramos aqui e ali. Com mais de 20 horas de jogo previstas pela frente, e mais de 100 locais diferentes para visitar, temos aqui uma aventura quase interminável para viver. Fica o aviso que é apenas recomendado para iPads mais modernos (de iPad 4 para cima, e iPad Mini 2 para cima), se bem que eu joguei-o num iPad 3, e até se aguentou bastante bem.

Vejam aqui em baixo a trailer do jogo, e vejam se são capazes de convencer os dirigentes deste mundo que o aquecimento global é um tema sério, e que o caminho passa mesmo por fontes de energia limpas, que não destruam mais o planeta.


A New Beginning na App Store (Brasil)

A New Beginning na App Store (Portugal)

Tamanho: 2.39 GB



31 dezembro 2015

Art Legacy

Para os amantes de obras de arte, que queiram oferecer a si mesmos ou a um amigo ou familiar uma prenda belíssima para o seu iPhone ou iPad, têm de dar uma vista de olhos a esta Art Legacy da Landka, uma app que nos traz as mais famosas pinturas do passado, de uma forma bem interessante e original, ganhando vida debaixo dos nossos dedos.


A app apresenta-nos numa linha do tempo, os vários pintores famosos do nosso passado, com as suas respectivas pinturas mais conhecidas a desfilarem à nossa frente. Basta navegar com um dedo para a esquerda e direita, para avançar ou andar para trás no tempo, passando à frente dos nossos olhos pequenos momentos escolhidos de cada uma dessas pinturas. Nas imagens que aparecem aqui, as informações sobre as pinturas e os seus autores aparece em Inglês, mas basta dar um salto até às definições da app para alterar para Português, como seria de esperar.


Tocando num destes momentos, abre-se de seguida a pintura em todo o seu esplendor, com um pormenor interessante, que é a sua transformação em 3D, com um efeito paralax que dá vida à pintura, como se se tratasse de uma cena real, a qual podemos visualizar como se estivessemos a mover a cabeça para os lados para espreitar por detrás de pessoas, árvores, e outros objectos.

A pintura anima-se automaticamente, para além de ser possível deslizar o dedo sobre a mesma para alterar a perspectiva da cena. Mas se quisermos basta tocar uma vez no ecrã para paralizar a cena, e se possa visualizar a pintura original sem quaisquer efeitos de paralax. Também podemos usar os dedos como uma pinça para aumentar e diminuir determinadas zonas da pintura.


A pintura em si vem acompanhada de uma descrição geral sobre a pintura e o seu autor, e se repararmos, na própria pintura, temos vários pontos de informação (marcados com um "i"), os quais podem ser activados para nos revelar maior detalhe sobre os vários momentos históricos que podem ser vistos na cena.

Para além de sermos brindados com algumas das pinturas mais famosas do passado, e toda a informação espectacular que dizem respeito à sua criação e momento retratado da história, é uma delícia ver estas pinturas a ganhar vida, de uma forma bem diferente daquilo que estamos habituados a ver em pintura. Com mais de 100 pinturas famosas, distribuídas por 6 séculos de arte, passando por pintores como Botticelli, Da Vinci, Michelangelo, Van Gogh, Renoir, Rousseau, etc, e ainda uma banda sonora fantástica de Rodrigo Leão, temos aqui uma prenda deliciosa para os nossos sentidos, e dos nossos amigos e familiares apreciadores de arte.


Art Legacy na App Store (Brasil)

Art Legacy na App Store (Portugal)

Tamanho: 340 MB



28 dezembro 2015

Supermarket Mania® 2 HD (Full)

Para os fãs de jogos de gestão de tempo e recursos, como eu obviamente, podem dar um salto à App Store para agarrar este Super Market Mania 2 HD (FULL) da G5 Entertainment, enquanto está gratuito, que é uma daquelas promoções a não perder.


O jogo não desilude, mantendo-se na mesma mecânica do costume, onde temos de ajudar a nossa heroína dos super mercados a gerir o seu super mercado. Temos de a levar a encher o carrinho das compras no armazém, e depois distribuir as compras por todos os expositores, e depois há que fazer a reposição constante, para que não fiquem expositores e arcas frigoríficas vazias.

Temos de gerir muito bem a impaciência dos clientes, por isso há que manter tudo a funcionar às mil maravilhas, ou estes irão embora do super mercado, fazendo-nos perder dinheiro precioso. Este dinheiro será muito útil entre níveis para melhorar coisas como o aspirador que nos permite limpar o super mercado (para que os clientes não caiam com o lixo), aumentar o tamanho do carrinho das compras, aumentar o número de prateleiras dos expositores, melhorar a máquina de fazer croissants batidos, etc.


O jogo conta ainda com algumas coisas interessantes que aumentam consideravelmente o desafio, como um ladrão que tem de ser apanhado em flagrante pelo polícia, ou uma míuda que começa a andar de trotinete derrubando comida no chão, e que tem de ser alertada pelo apito do polícia. Um concorrente bandido tem a mania de entrar no super mercado e destruir equipamento, roubando-nos segundos preciosos do nosso tempo para arranjar as coisas.

Vão-nos aparecer clientes com gostos diferentes, e paciência também diferente, e até estrelas de cinema, que não têm paciência nenhuma, e temos de andar em biquinhos de pés para satisfazer todos os seus caprichos. Como irão haver dias especiais, não será sempre o super mercado que conhecemos, pois teremos um dia em que serviremos apenas gelados, ou batidos, ou doces, etc.

Vejam aqui em baixo o vídeo de apresentação do jogo, e se apreciam estes jogos de gestão de tempo, então não deixem de passar pela App Store para o agarrarem enquanto está gratuito. Existe também uma versão para iPhone, por isso instalem-no lá também enquanto está grátis.


Super Market Mania 2 HD (FULL) na App Store (Brasil)

Super Market Mania 2 HD (FULL) na App Store (Portugal)

Tamanho: 161 MB



11 dezembro 2015

The Room

Grande jogo que temos hoje grátis na App Store, especialmente se gostam de resolver puzzles. The Room da Fireproof Games, é um jogo carregado de mistério, que nos põe à frente um cofre com muitas supresas no seu interior para nós descobrirmos.


O jogo arranca com um cofre enorme à nossa frente, e deslizando com o dedo sobre o ecrã podemos rodar livremente sobre ele, espreitar por cima, aproximar com um duplo toque para ver algo com maior detalhe, ou mesmo usar dois dedos em formato de pinça (para fazer zoom in e zoom out).

A primeira coisa a fazer é ler uma carta que se encontra no topo (isto funciona como uma espécie de tutorial), onde nos é dito qual o próximo passo a seguir. A ideia é perceber a mecânica do jogo, onde temos de encontrar uma chave, colocá-la numa ranhura, rodá-la com os dedos, abrir uma caixa também com o dedo, até encontrar-mos um muito útil monóculo.


Este monóculo misterioso vai-nos ser muito útil para resolver uma série de puzzles, pois permite-nos visualizar um mundo oculto que está por detrás daquele que pode ser visto a olho nú. Com ele é possível observar imagens escondidas, pinturas, dicas, e até ver através de certas paredes como se fosse um raio-x.

O jogo vive muito da tentativa e erro, pois nem todo o puzzle parecerá lógico à partida, o que nos leva a experimentar tocar em vários pontos do cofre e das várias caixas e mecanismos que vão surgindo (colocar o monóculo ajuda a encontrar pontos que foram tocados com uma mão, para nos dar a indicação de que pode haver algo para fazer aí).


À medida que o tempo vai passando, e estivermos bloqueados sem descobrir o que fazer, o jogo vai-nos mostrando dicas (até 3 dicas, sendo a primeira apenas um ligeiro apontamento que nos direcciona para algo, a segunda já mais reveladora, e a terceira dica, essa quando surge, quase que resolve um determinado puzzle por inteiro).

Este jogo está agora gratuito na App Store, em grande parte por causa do lançamento o mês passado do terceiro episódio deste grande mistério, o The Room Three (para iPhone e iPad). Se apreciam resolver puzzles e quebra cabeças, este é um jogo que vos vai agarrar do início ao fim, especialmente porque vem acompanhado de uma história bem misteriosa que não deixará ninguém indiferente.


The Room na App Store (Brasil)

The Room na App Store (Portugal)

Tamanho: 210 MB



09 dezembro 2015

AirAttack HD

Um jogo espectacular que tenho no meu iPad desde o ano de 2010, muito aclamado pela sua jogabilidade e qualidade gráfica excepcional, AirAttack HD da Art in Games, está agora pela primeira vez gratuito na App Store. Este é um shooter com aviões que continua a ser dos melhores exemplos de como deveria ser um jogo Shoot'em Up, que se tem aguentado muito com o tempo.


Não faltam na App Store shooters passados na segunda guerra mundial ao estilo do clássico 1942 das máquinas. Mas com 5 anos em cima, e sem nenhuma actualização desde Abril de 2012, este AirAttack HD continua a bater aos pontos todo e qualquer shooter com aviões que tenha saído para iPad.

Apesar de não ter sido actualizado para os maiores e melhores ecrãs dos iPads mais recentes, a qualidade gráfica com um visual 3D espectacular, e jogabilidade deste jogo, falam por si, e fazem com que seja um jogo extremamente divertido e desafiante de jogar.


Não é de estranhar que esteja em promoção agora, porque foi finalmente lançada uma segunda versão deste belíssimo jogo, este já adaptado para os novos iPhones e iPads, e bem melhor que o primeiro jogo (como se fosse possível). Estou a falar de AirAttack 2, e está disponível na App Store neste momento como jogo universal.

Ao nível de controlos é o costume, mas é uma maravilha controlar o nosso avião. Deslizar o dedo pelo ecrã para controlar o seu movimento, o disparo é automático, e se quisermos lançar uma bomba para o chão (barcos, comboios, tanques de guerra, pontes, edifícios, etc) basta tocar duas vezes seguidas no ecrã.


O jogo permite-nos aceder a uma loja voadora de x em x metros, onde podemos adquirir novos canhões, bombas, aviões de assistência (wingman), mais vidas, etc, etc, e tem no final de cada nível o desafio de vencer um grande inimigo (o clássico boss final). Vejam aqui em baixo o vídeo de apresentação do jogo, e pasmem-se com a qualidade de um jogo com 5 anos, que não deixará nenhum fã de jogos Shoot'em Up indiferente.


AirAttack HD na App Store (Brasil)

AirAttack HD na App Store (Portugal)

Tamanho: 82.8 MB


AirAttack 2 na App Store



02 dezembro 2015

Monument Valley grátis

Passado num universo com uma arquitectura impossível a fazer lembrar as fantásticas obras de M. C. Escher, o jogo Monument Valley da ustwo, é uma obra de arte que não irá deixar ninguém indiferente, desde aqueles que apreciam resolver puzzles, aos que apreciam paisagens lindíssimas e mecanismos que mais parecem saídos da imaginação de Leonardo da Vinci.


Nesta aventura acompanhamos a viagem da Princesa Ida através de uma série de edifícios e monumentos, quase todos de arquitectura impossível (ou apenas possível num mundo digital), onde teremos que manipular interruptores e alavancas, para alterar a estrutura e a perspectiva do mundo que temos à nossa frente, de maneira a que a nossa princesa consiga chegar até à saída de cada um destes cenários incríveis.

O jogo é altamente intuitivo ao nível dos controlos, onde apenas temos de tocar em qualquer lugar com o dedo, para que a princesa se mova até esse ponto. Se ela não se mexer, é porque não consegue chegar lá, e é aqui que começamos a ter que brincar com as partes móveis da estrutura, e com a perspectiva.

Se gostaram da beleza e design do Wonderputt, então deliciem-se com este jogo completamente fora do comum, que é acima de tudo uma obra de arte, onde nos vemos a querer repetir tudo de novo quando chegamos ao final, nem que seja para mostrar a outra pessoa o que seria poder viajar através do universo espectacular de M. C. Escher.


Monument Valley na App Store (Brasil)

Monument Valley na App Store (Portugal)

Tamanho: 277 MB



01 dezembro 2015

The Whispered World Special Edition

Mais uma ficha mais uma aventura point-and-click, desta vez dos criadores do fantástico Deponia, o jogo The Whispered World Special Edition da Daedalic Entertainment, um port do original lançado em 2009 para PC, que nos põe nos pés de um palhaço do circo, e na sua demanda para salvar o mundo.


Este é um jogo que foi muito bem recebido pela crítica quando foi lançado em 2009, e que foi descrito como um jogo bem próximo dos grandes clássicos da Lucas Arts. Não tanto pelo seu humor, mas pela qualidade gráfica, história e puzzles algo complexos por vezes.

O nosso herói chama-se Sadwick, o palhaço triste, que acompanhado do seu irmão e avô, fazem parte de uma pequena companhia familiar de circo. Sadwick não acha nenhuma piada à sua vida, e muito menos agora que o irmão o quer pôr a voar como uma bala de canhão.


As vozes no jogo são muito boas, e faz-se notar na voz de Sadwick uma grande depressão (voz que se torna até chata por vezes, com o seu tom sempre em baixo), o que não ajuda o facto de andar a ter pesadelos com o fim do mundo.

O seu fiel companheiro é uma pequena lagarta chamada "Spot", que pode alternar entre o seu estado normal, e um estado insuflado, que vai ser muito útil para resolver certos puzzles mais à frente. Ela irá ser usada para resolver certas situações às quais Sadwick não tem acesso, porque normalmente são locais pequenos ou de difícil acesso.

Este jogo tem muita conversa entre personagens, pois há muita história para contar, e é mesmo necessário para perceber o que fazer a seguir, e desbloquear novos puzzles e partes da narrativa. Logo no início do jogo andamos ali a saltar entre o irmão de Sadwick e o seu avô para perceber o que se tem de fazer, como primeiros passos nesta aventura.


Tocar em qualquer lado do ecrã faz com que Sadwick e Spot se movam nessa direcção, e tocar nas setas vermelhas fazem com atravesse uma porta e entre no interior de um local, ou que passe simplesmente para um novo cenário.

Para interagir com os vários objectos que existem no ecrã, temos uma muito útil lupa que nos mostra todos os pontos com os quais podemos fazer um qualquer tipo de acção, como por exemplo a mão que nos permite mexer ou manipular um objecto, descrever (com o olho), ou falar (se tocarmos na boca).

O saco que temos do lado esquerdo em baixo no ecrã é o nosso inventário, onde podemos mover objectos uns sobre os outros caso achemos que existe alguma interacção possível entre eles (como por exemplo uma chave e um cofre), ou então arrastar o objecto para fora do inventário para que possa interagir com algum elemento no cenário.

De uma maneira geral os puzzles acabam por ser relativamente intuitivos, bastando conversar com as personagens para perceber aquilo que é esperado de nós, ou mesmo até ouvir as descrições que Sadwick nos dá dos vários objectos, que acabam por ser dicas importantes sobre o caminho a seguir.


No entanto, há uma queixa comum de vários críticos do jogo, que é o facto de aparecerem alguns puzzles que não seguem nenhuma lógica aparente (como acontecia com alguns jogos clássicos da Lucas Arts), o que nos obriga a experimentar por tentativa e erro, ou mesmo procurar um walkthrough online (o que não é nada ideal).

Seja como for, num instante iremos perceber que o fim do mundo dos pesadelos de Sadwick é bem real, e podemos ser mesmo nós o principal responsável para que isso aconteça. É isso que teremos de descobrir, e tentar evitar a todo o custo. O jogo conta com uma banda sonora excelente, vozes de grande qualidade em inglês (e mais línguas, assim como legendas), uns cenários deslumbrantes em 2D, e até a opção de ouvir o comentário dos criadores do jogo em todas as cenas do jogo, que é bastante interessante e divertido.

O jogo pode ser encontrado na App Store pelo preço de 7,99€, e é uma excelente adição para a colecção de jogos point-and-click de qualquer aficcionado do género no seu iPad. Podem ver aqui em baixo o vídeo de lançamento do jogo, que nos mostra algumas cenas desta grande aventura.


The Whispered World Special Edition na App Store (Brasil)

The Whispered World Special Edition na App Store (Portugal)

Tamanho: 1.78 GB



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...